Início > Histórias e Estórias! > História do Grupo Liebherr!

História do Grupo Liebherr!

Liebherr Group

Hoje, a Liebherr não é apenas uma das maiores fabricantes de máquinas para construção do mundo, mas também é reconhecida em muitas outras áreas como fornecedora tecnicamente exigente, com produtos e serviços orientados para a finalidade a que se destinam. Assim, a empresa cresceu e tornou-se um Grupo de empresas com mais de 32.091 funcionários em mais de 100 empresas em todos os continentes.
As empresas de fabricação e de comercialização de cada segmento de produto estão subordinadas à direção operativa de empresas líderes de divisão. A empresa líder do Grupo é a Liebherr-International AG em Bulle/Suiça cujos proprietários são exclusivamente elementos da Família Liebherr. A empresa familiar, na sua segunda geração, é dirigida conjuntamente pelos irmãos Isolde Liebherr e Willi Liebherr.
A Liebherr produz atualmente um dos caminhões os maiores do mundo de mineração, a T 282 B. Ele também introduziu recentemente o novo modelo de nove eixos LTM 11200-9.1 que recebeu o prestigioso prêmio de Desenvolvimento do Ano (2007), por ser a mais poderosa do mundo dos guindaste moveis, com 100 metros (328 pés) de lança telescópica.

Liebherr tem lojas em vários países, incluindo Alemanha, Inglaterra, Irlanda e Estados Unidos. A fábrica em Killarney, Irlanda fabrica guindastes para contêineres, que são exportados a nível mundial.

Como Tudo Começou…

Hans Liebherr cresceu em Kirchdorf, uma pequena cidade do sul do Alemão proxima ao rio Iller. Na época, ele perdeu o pai na I Guerra Mundial. Aos 13 anos, ele começou um estágio na empresa de construção de seu padrasto. Durante a Segunda Guerra Mundial, Hans serviu no corpo de engenharia do exército alemão, especificamente em uma unidade que construia pontes para as tropas alemãs na Rússia. Lá, ele obteve informações valiosas sobre os desafios comuns relacionados a projetos de construção civil. No final da guerra, a Alemanha estava em ruínas, e era evidente que a reconstrução do país ocuparia a nação por muitos anos.

A reforma monetária na Alemanha Ocidental em 1948 marcou o início do que mais tarde foi chamado de milagre econômico alemão. De volta a casa da guerra, Hans – agora em seus 30 anos – começou a trabalhar no protótipo de um guindaste de construção que ele imaginou que seria necessário por pequenas empresas de construção civil  nos anos seguintes do pós guerra . O novo tipo de guindaste que ele tinha em mente seria fácil de configurar e transportar, teria um desempenho muito melhor do que os modelos disponíveis na época, e ainda seria acessível para as pequenas empresas. Em um pequeno barraco de madeira que ele havia construido, Hans, juntamente com um ferreiro local e alguns outros ajudantes, construiu o guindaste de torre de 30 pés que ele tinha imaginado. Depois de construido lhe foi concedida uma patente alemã para a sua invenção em agosto de 1949 e então ele exibiu seu guindaste no comércio de Frankfurt. O guindaste provocou um grande interesse, mas Hans não recebeu pedidos de compra.

Hans, no entanto, acreditava na sua idéia e começou a construir um certo número de suas máquinas. Poucas semanas depois, as encomendas começaram a chegar para seus  modelos guindaste Liebherr e em primeiro lugar, o TK 10, poderia estender 4,5-16 metros e capacidade de 650 kg a 2.000 kg. Ele era desmontavel para transporte e poderia ser montado dentro de duas a três horas. Guindastes de construção convencionais eram muito maiores do que o TK 10, e demorava vários dias para monta-los e configura-los. Em 1950, o negócio decolou rapidamente. Liebherr modificou o TK 10 e construiu uma série de modelos com diferentes parâmetros de desempenho para atender às necessidades de vários projetos de construção. Como todos esses modelos eram construídos em série, Hans foi capaz de vendê-los a preços muito razoáveis.

Dentro de algumas semanas, a pequena oficina foi transformada em uma pequena fábrica. Logo Hans empregaria 110 pessoas que construíriam um guindaste por dia. Em seu primeiro ano de atividade, vendeu 160 guindastes Liebherr, gerando 2,2 milhões de marcos alemães em vendas. Em 1952, a Liebherr apresentou um novo modelo, o TK 28, que foi equipado com uma lança regulável. As engrenagens necessárias foram feitas por fornecedores externos de acordo com especificações da Liebherr. No ano de sua introdução, 267 guindastes TK 28 foram vendidos.

Conquista de novos mercados em 1954

Os guindastes Liebherr permaneceram como principal produto durante a década de 1950, 1960 e 1970. No entanto, apenas alguns anos depois que ele conseguiu se estabelecer em um mercado, então a Liebherr resolveu se aventurar em novos mercados. As suas inovações em equipamentos de construção vinham do seu conhecimento em obras. As escavadeiras do início dos anos 1950 eram extremamente grandes, pesadas e lentas. cabos de aço grossos executavam por meio de polias que manobravam o braço mecanico, caçamba e escavava, uma tecnologia que se mostrou ineficiente em termos de precisão ea aplicação de carregamento. Hans Liebherr queria melhorar o desempenho das escavadeiras  utilizando a energia hidráulica – que já era usada para inclinar a caçambas de caminhões. Em oito meses, Hans Liebherr inventou sua primeira escavadeira hidráulica, que foi muito mais leve tinha uma caçamba  muito maior do que as outras máquinas desse tipo. A nova invenção, que mais uma vez revolucionou a indústria da construção civil, foi um enorme sucesso. Logo escavadeiras Liebherr tornou-se um segundo seguimento para a empresa.

Isso, no entanto, não foi suficiente para Hans. A produção de máquinas de construção foi completada por betoneiras. Ao mesmo tempo, a empresa se aventurou em um campo completamente novo quando ele começou a fazer frigoríficos em meados da década de 1950. Novas instalações foram criadas em Biberach, Schussenried Bad, Kempten e Ochsenhausen para essas novas atividades. Até o final da década de 1950, a Liebherr havia crescido a uma empresa de porte considerável. A empresa empregava cerca de 2.400 pessoas e gerou 77 milhões em vendas.

O know-how de Hans em tecnologia hidráulica levou a empresa para outro mercado. Na década de 1970, a empresa começou a fabricar partes de aeronaves para o europeu Airbus, incluindo o nariz, rodas e módulos do sistema de ar condicionado. O negócio da Airbus era mais de US $ 500 milhões. Outra área onde a empresa ganhou know-how foi na fabricação de engrenagens. Logo no início, Liebherr havia adotado uma política de terceirizar o mínimo possível, a fim de manter o controle sobre a produção de componentes principais, que entrou em produtos da empresa. Entre os componentes foram caixas de transmissão e motores para guindastes e escavadeiras Liebherr, para os quais a divisão de engenharia da empresa desenvolveu ainda as máquinas para fazê-los. Ao longo do tempo, a empresa tornou-se um fornecedor de equipamentos hidráulicos a grandes fabricantes de automóveis, bem como aos seus concorrentes, como a fabricante de maquinaria pesada americana Caterpillar.

Construindo uma Empresa Global em 1960, 70

Hans Liebherr não só construir uma empresa diversificada desde o início, mas ele também se expandiu para novos mercados geográficos desde o início. A montagem da fábrica de guindaste em Killarney, Irlanda, marcou o início da expansão internacional da empresa. Durante a década de 1950, as filiais de produção Liebherr foram estabelecidos em França, Suíça e Reino Unido. Na década de 1960, a empresa instalou sua primeira fábrica na Áustria. Nas décadas seguintes, a Áustria surgiu como a segunda mais importante além da Alemanha. A nova fábrica de guindastes móveis que foram montados em um chassi e poderiam, portanto, move-se rapidamente entre os canteiros de obras abertos em Ehingen, Alemanha, em 1969 rapidamente foram feitos pedidos da Inglaterra, bem como da União Soviética.

Na década de 1970, a Liebherr expandiu ainda mais, a criação de novos escritórios de vendas e instalações de produção no exterior como no Brasil, Canadá e África do Sul. No entanto, o foco principal Hans Liebherr foi para ganhar terreno nos Estados Unidos, que não foi uma tarefa fácil. Em 1970, a Liebherr abriu uma fábrica de escavadeiras  perto de Newport News, Virgínia. A tarefa mais difícil, porém, era encontrar revendendores do país que estavam dispostos a começar a oferecer produtos a seus clientes a partir de um estreante europeu que estava competindo com os bem conhecidos fabricantes americanos.

Outro problema foi a decisão de modificar escavadeiras da empresa para se adequar ao gosto americano. No entanto, como a indústria da construção caiu em recessão em meados de 1970, as vendas de máquinas pesadas diminuiram drasticamente nos Estados Unidos. Para usar o espaço livre em sua fabrica na Virgínia, a empresa começou a fabricar guindastes lá e receberam um pedido de US $ 15 milhões da Marinha dos EUA. No entanto, o negócio acabou por ser oneroso para Liebherr, uma vez que a empresa teve que fazer alterações no projeto do guindaste, poins não atendiam os requisitos desejados do cliente. Ao todo, o custo da produção de guindastes da empresa foram os lucros que tinha feito com escavadeiras, em 1979, e da fabricação de guindastes na Virgínia foi deixado logo depois.
Apesar das dificuldades iniciais, a Liebherr conseguiu se inscrever em 50 concessionárias nos Estados Unidos até o final dos anos 1970 e ganharam uma quota de mercado entre 3 e 4 percentos . Por esse tempo, o grupo Liebherr empregou 15.000 pessoas em dez países e rendeu US $ 1,1 bilhão em vendas. A empresa havia crescido de um negócio de médio porte, de propriedade familiar em uma empresa multinacional, sendo classificada como o número 431 na lista da revista Fortune das maiores empresas industriais fora dos Estados Unidos.

Conservadorismo Financeiro, Descentralização e Transferência de Propriedade em 1980

Até a década de 1990, a Liebherr esteve firmemente sob controle do fundador da companhia. Hans Liebherr e seu estilo de gestão era lendária. Seu sucesso foi construído em sua crença inabalável na frugalidade e delegação de responsabilidade. Ele estava consciente de que sua empresa poderia ter crescido mais rapidamente com a ajuda de empréstimos bancários, mas aderiu estritamente à sua máxima de que o dinheiro só poderia ser gasto depois de ter sido conquistado. Hans voou em classe económica e dirigia um Mercedes de sete anos de idade. Além do conservadorismo financeiro, a Liebherr acreditava na descentralização. Gestão de topo, cada nova subsidiária eram inteiramente responsáveis pelo seu funcionamento. Menos de 20 pessoas trabalhavam na sede do grupo.

Hans Liebherr se baseou em dois métodos de direção na sua empresa: relatórios mensais e visitas sem aviso prévio. Todas as 26 filiais preenchiam um relatório de uma página no final de cada mês, que continha as imagens mais importantes, situação financeira e operacional. Uma das principais preocupações de Hans Liebherr foi que o custo administrativo não funcionava fora de sua  mão. Para complementar esta informação, ele visitava regularmente cada uma das unidades de produção na Alemanha, Áustria, França e Suíça. Sem qualquer aviso, muitas vezes ele entrou na salas de produção e falou com os trabalhadores e capatazes antes de conversar com qualquer gestor.

No início dos anos 1970, Hans Liebherr transferiu a sua residência da Alemanha  para a Suíça, a fim de evitar o imposto pesado alemão. Então Hans Liebherr transferiu a propriedade de ações em sua empresa para seus filhos. A empresa foi dividida em duas partes: uma companhia alemã para todas as atividades comerciais na Alemanha e outra companhia com sede na Suíça para todas as outras filiais. Hans Jr., Markus, e Hubert Liebherr receberam partes iguais na companhia alemã. Willi Liebherr e Isolda eram co-proprietários da companhia suíça. No entanto, apesar da transferência de propriedade, Hans Liebherr manteve o controle da sua empresa através de uma procuração com cada um dos seus filhos. Em 1983, a sede da empresa foram transferidas para a Suíça após o estabelecimento da nova gestão com sede na Suíça a Liebherr-International AG.

Após a filha de Hans Liebherr e seus quatro filhos tinham terminado a sua educação nos seus 20 e 30 anos, todos eles começaram a trabalhar como executivos em tempo integral na empresa de seu pai. O filho mais velho do fundador da companhia, Hans Jr., estudou engenharia e economia. Willi Liebherr tornou-se um engenheiro mecânico, enquanto seu irmão Markus estudou engenharia com foco agrícola. Hubert, o caçula dos irmãos Liebherr, tornou-se um engenheiro de construção civil, e sua irmã Isolda estudou administração de empresas. Hubert Liebherr conseguiu uma fábrica de escavadeiras na Argélia, Isolda era responsável pelos hotéis, e os outros irmãos Liebherr tiveram cargos de gestão na produção ou comercialização. No entanto, por volta de 1990, Hubert Liebherr deu a sua parte no negócio da família de volta para seu pai.

Segunda Geração Liebherr em 1990

Quando o fundador da empresa, Hans Liebherr morreu em 1993, aos 78 anos, seu empreendimento industrial gerou cerca de US $ 2,5 bilhões em vendas anuais. Agora era a hora para a segunda geração Liebherr assumir a gestão da empresa familiar. Hans Jr., assumiu a responsabilidade pelo guindaste, Willi de equipamentos de terraplenagem e Isolda para a produção do frigorífico e hotéis. Markus Liebherr, porém, havia mudado seus planos de vida e deu a maioria de suas ações da empresa de volta aos seus irmãos e irmã. Hans Jr., Willi, e Isolda encontrou a cada duas semanas para discutir as decisões fundamentais relativas ao investimento, desenvolvimento de produtos e finanças.

Hans Liebherr havia deixado para trás uma empresa financeiramente saudável. Devido à sua política financeira conservadora, a empresa estava livre de dívida de longo prazo. Todos os projectos de investimento foram financiados pelo fluxo de caixa da empresa. Na década de 1990, depois de lucrar com o boom da construção provocadas pela reunificação da Alemanha Oriental e Ocidental, o grupo Liebherr cada vez mais focada nos mercados emergentes da Ásia, América do Norte e do Extremo Oriente. Em 1995, a Liebherr ajudou a estabelecer uma fábrica de engrenagens do caminhão em Tatarstan para a russa fabricante de caminhões Kamaz. Em 1997, a empresa adquiriu Axel Verkehrstechnik Friedmann, um fabricante de sistemas de ar condicionado para os comboios de alta velocidade, acrescentando um novo ramo para a carteira do grupo. A nova divisão de negócios aumentaram o know-how da Liebherr em tecnologia de ar-condicionado dos aviões. No mesmo ano era fundada a empresa Liebherr-Mietpartner, uma nova subsidiária, que estabeleceu uma rede de mais de 70 centros de aluguer de equipamento de construção em toda a Alemanha. Também na década de 1990, a Liebherr adquiriu a Norte Americana fabricante de caminhões Wiseda, um passo importante para o mercado dos EUA para equipamentos de mineração. Em 1999, uma fábrica de geladeiras novas Liebherr foi criada em Plovdiv, Bulgária, que começou a lançar modelos de baixo preço para o mercado europeu em 2000. Entre as novas linhas de produção na Ásia estão uma fábrica de guindaste na Tailândia e quatro empresas de fabricação comum na China.

Em 1999, Hans Jr., desceu da sua participação ativa nos negócios da família, mas permaneceu em seu conselho de supervisão. Willi foi nomeado presidente do grupo Liebherr e Isolda tornou-se vice-presidente. Alguns analistas interpretaram isso como um sinal de que um de Willi de seis filhos e filhas possam acompanhar o pai na administração da empresa. Três anos mais tarde, a estrutura organizacional da Liebherr foi alterado quando quatro divisões de negócios – máquinas de terraplanagem, máquinas de construção, frigoríficos e congeladores e equipamentos aeronáuticos – substituiu as participações da gestão anterior na Alemanha e na Áustria. Os três primeiros foram manejados da Alemanha, enquanto a sede da Liebherr para os equipamentos da aviação foi transferida para Toulouse, na França, centro da indústria da aviação europeia. As industrias de guindaste móvel e marítima em Ehingen, Alemanha e Nenzing, Áustria, porém, se reportava diretamente ao grupo de exploração na Suíça.

Diversificação, globalização e investimento na modernização e inovação de produtos ajudou a Liebherr sustentar uma posição relativamente favorável em termos de vendas e lucros. crescimento lento e diminuição das vendas na Alemanha e na Europa Ocidental foram compensados pela crescente demanda em mercados emergentes como a Ásia eo Extremo Oriente. O declínio acentuado na demanda por equipamentos de construção na Alemanha, e uma queda nas encomendas de equipamentos de aviação após os ataques terroristas nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001, foram parcialmente compensados por um aumento do número de encomendas de equipamentos portuários e guindastes offshore. No entanto, após um crescimento médio de venda de 12 por cento desde 1997 até 2001, a receita da empresa caiu ligeiramente em 2002.

Apesar do clima de dificuldade econômica global Liebherr tinha uma visão otimista sobre o futuro do grupo e investiu em uma série de novos empreendimentos. Em 2002, a empresa anunciou um novo empreendimento com a fabricante de caminhões alemã MAN Veículos Comerciais, em conjunto, desenvolveu e fabricou um motor diesel novo, que estava destinado a ser introduzido em 2005. Também em 2002, a Liebherr lançou um projecto de investimento para expandir as seções de bem-estar de duas Liebherr hotéis de luxo na Áustria, para acomodar a tendência para o turismo de saúde. Em 2003, a empresa inaugurou uma nova fábrica de guindastes marítimos em Rostock, uma cidade portuária na costa alemã do mar Báltico, e investiu em uma fábrica de escavadeiras na China. O ano de 2003 também viu o lançamento do guindaste Liebherr pesado novo para a construção e manutenção de sistemas offshore de energia eólica. Com terceira geração da Liebherr na faculdade, Willi e Isolde Liebherr acreditam que a empresa será capaz de crescer a partir de recursos próprios – sem a ajuda de investidores externos –  para resistirem às pressões crescentes de aceleração da consolidação global e da concorrência. Essa foi a maneira que tinha crescido para seu tamanho atual: como um negócio familiar.

Datas-Eventos Principais:

1949: Hans Liebherr inventa seu primeiro guindaste de construção.

1950: Liebherr começa a fazer frigoríficos.

1958: Uma fábrica de gruas é construida na Irlanda.

1970: Liebherr Mining Equipment Co. é estabelecida nos Estados Unidos.

1970: A empresa começa a produzir aeronaves.

1983: Gestão de exploração da empresa Liebherr-International AG é fundada na Suíça.

1985: Liebherr leva à produção de motores diesel para equipamentos de construção na Suíça.

1993: A segunda geração Liebherr assume a gestão da empresa familiar.

1997: Liebherr adquire Axel Friedmann Verkehrstechnik da Siemens.

1999: A empresa estabelece uma fábrica de geladeiras, na Bulgária.

2002: Liebherr e MAN anunciou uma joint venture para motores diesel.

2007: Recebe o prêmio de Desenvolvimento do Ano (2007) pela LTM 11200-9.1

Fontes:

Site do grupo LIEBHERR – http://www.liebherr.com.br

http://www.fundinguniverse.com

Wikipedia – http://en.wikipedia.org/wiki/Liebherr_Group

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: